Home Mail Cadastre-se Contato
NÃO SOU ANALFABETO
caro irmão realmente é preciso falar sobre os absurdos que e...

Foi a resposta que o deputado federal, Francisco Everardo Oliveira Silva, “Tiririca” ofereceu ao Juiz eleitoral, ao ser questionado se sabia ler e escrever. Talvez a resposta seria diferente se o Juiz o argüisse com a pergunta que Jesus fez ao soberbo doutor da Lei, que desejava saber quem era o seu próximo. Lc 10:29. Jesus o inquiriu: “Como lês?” Não bastava saber ler. Era preciso saber o que se estava lendo. A dificuldade não é a leitura, mas a compreensão do texto. A ciência da interpretação não está ligada ao saber ler, mas como lemos o que está escrito.
Tiririca recebeu e conquistou um milhão e trezentos mil votos. Foi o deputado mais votado no Estado. Com sua graça de palhaço e uma pergunta capciosa, conquistou a vitória: “Você sabe o que um deputado faz? Também não sei. Vote em mim que lhe conto”. Seus eleitores estão aguardando a resposta. O que faz um deputado?
A pergunta coloca em cheque as atividades dos parlamentares. O saber que o candidato é palhaço de circo forneceu aos eleitores uma vingança contra a classe política. Não que a profissão de palhaço seja menos digna do que qualquer outra profissão. Mas o público sabe que as piadas do palhaço no picadeiro, objetivam o riso da platéia. É um momento de descontração em que a seriedade da vida fica de lado para dar lugar ao lúdico, tão necessário, nesta existência sofrida.
O Ministério Público cumpriu o seu dever ao questionar se o candidato era alfabetizado ou não. O Juiz de igual modo fez o seu dever concluindo que o deputado eleito não era analfabeto. Nada o proibia de concorrer a uma vaga ao Congresso. Ambos agiram respaldados na Lei. O questionamento era sobre analfabetismo, não sobre a compreensão do que lhe foi exigido ler. Ler, quase todos os brasileiros lêem. Compreender o que se lê, é algo totalmente diferente.
Ao ver o desenrolar dos fatos persiste o questionamento entre a diferença de ler e entender o que se le. Como a moda hoje é abrir “Igrejas”, elas já suplantam os bares, uma pergunta surge: Será que todas as pessoas que se dizem evangélicas hoje, compreendem o significado verdadeiro da vida cristã? Entendem os ensinos de Jesus na sua real essência? A resposta diz que não. Há uma distância muito grande entre o que ouvimos como mensagem do Evangelho e o Evangelho em si.
Pessoas que vivem à procura de milagres. Buscam prosperidade material. Deixam-se ludibriar pelos milagreiros que só pregam vitória. Evangelho sem cruz. Sem renúncia e sem compromisso. Membros de Igrejas que imitam borboletas à procura do néctar inexistente. A cada culto comparecem a um templo diferente. Não são capazes de separar heresias da boa doutrina. Vibram com as emoções passageiras de um “culto” ensurdecedor. Não se fixam em lugar algum; comprovam que não compreendem os ensinamentos bíblicos.
Os que mensuram a mensagem pelo tom agressivo do pregador, e não pelo conteúdo bíblico, na verdade não entendem o significado da Bíblia. Salvos que não zelam pela fixação das raízes de seus filhos, pois não sabem com quem se comprometer, ainda não compreenderam o que lêem. Não são analfabetos na semântica da palavra, mas são analfabetos espirituais. Assemelham-se ao eunuco de Candace, Atos 8:30-31, lêem mas não entendem. Precisam de alguém que suba ao carro da displicência e os ensinem. Tais pessoas correm terríveis riscos e caminham para o abismo que os aguarda no final da jornada. Não basta saber ler. É preciso compreender o significado do que lemos.
A leitura correta da Bíblia gera conhecimentos e vida prática. O salvo que estuda o texto sagrado repete o salmista ao afirmar: “Tenho mais entendimento do que todos os meus mestres, porque medito nos teus testemunhos. Sou mais prudente do que os velhos, porque guardo os teus preceitos” Sl 119:99-100.
Os que compreendem esta verdade são bons alunos da EBD. Não desprezam os estudos bíblicos. Não abandonam a sua congregação à procura de novidades. Assumem responsabilidades na causa e se comprometem com Cristo.
Caso fosse requerida a sua presença em juízo para comprovar a sua alfabetização bíblica, e, o Juiz lhe oferecesse o texto aos Hebreus 10:25 para ler: “Não abandonando a nossa congregação, como é costume de alguns...” qual interpretação seria eficaz, confrontada com a vida prática? Oro para que você seja aprovado. Tiririca passou no teste e vai ser diplomado. Você passaria? Cristianismo é algo muito sério. Não basta dizer que sabemos. É preciso viver o que sabemos.
A leitura sistemática da Bíblia nos qualifica para um viver comprometido com Cristo.

Pr Julio O. Sanches

09/12/10